Você conhece sua Microbiota Intestinal?

Você provavelmente já ouviu falar que o intestino é nosso segundo cérebro, afetando diretamente nosso estado de saúde, seja ele físico, mental ou comportamental. Nosso estilo de vida, nosso nível de estresse e a nossa alimentação têm muito a nos dizer sobre a nossa microbiota intestinal.

Voce sabia que hoje já é possível conhecer a populaçao (tipos, espécies de bactérias) que habitam nosso intestino através de exames moleculares?

E como isso pode me beneficiar?

O nutricionista em mãos do laudo do exame é capaz de direcionar o plano alimentar assim como a prescrição de prebioticos e probioticos de forma mais assertiva com o objetivo de equilibrar e restaurar sua microbiota (flora) intestinal.

Vamos a alguns exemplos: 

?Indivíduos com % aumentado do Filo Firmicutes (bacterias) indicam desequilibrio da microbiota relacionado à maior absorção de calorias da dieta. Nesse caso a adoção de uma dieta de baixa calorias e de baixo carboidratos em conjunto com a prescrição de Bifidobacterias, aumentaria a proporçao de Bacteroidetes equilibrando a microbiota inestinal.

?Já individuos com alto % de Proteobactérias, não deveriam utilizar probióticos contendo Lactobacillus paracasei*. Esta proporção aumentada também sugere baixo consumo de alimentos fontes de colina (ex. gema de ovo). Esses indivíduos também se beneficiariam de uma ingestão equilibrada entre os ômegas-3 e 6.

? Individuos com baixo % de Akermansia tem menor integridade da mucosa/barreira intestinal. Se benefeciariam com o aumento do consumo de prebióticos como Inulina e FOS, alimentos ricos em oligofrutose (banana, alho, cebola e aspargos), cápsulas de capsaisina ou consumo de pimenta caiena e probióticos específicos como L. rhamnousus e B. longum.

?O aumento do % Prevotela está associado a doenças inflamatorias (como artrite reumatóide, periodontites, síndrome metabólica, aterosclerose e inflamaçoes intestinas). Nesse caso, a suplementação de L. salivarus, L. gasseri, L. casei e L. rhamnosus são indicados. Esse perfil de microbiota está relacionado a dietas onivoras.

 

As bactérias presentes na microbiota intestinal podem auxiliar: na manutenção da integridade da mucosa intestinal na absorção de nutrientes no controle da proliferação de bactérias que podem causar doenças. Além disso, uma microbiota saudável é capaz de produzir vitaminas, promover melhor absorção de nutrientes e fermentar fibras que levam à produção de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), moléculas com atividade anti-inflamatória. Cada indivíduo possui uma microbiota intestinal única, que se desenvolve de acordo os hábitos de vida, uso de medicamentos, estresse e até a localização geográfica. Outro fator importante na alteração da microbiota intestinal é a dieta. Nossa alimentação pode afetar a sobrevivência e o metabolismo dessas bactérias, causando alterações no padrão de colonização bacteriana.

E para quem o exame está indicado?

O exame possibilita a identificação da composição da microbiota intestinal, permitindo o conhecimento tanto das bactérias benéficas, quanto de um possível estado de disbiose intestinal. Um relatório irá trazer essas informações, com gráficos para facilitar as interpretações, além das associações do perfil da microbiota com condições clínicas ou patologias relatadas/sendo investigadas. Com este conjunto de informações, o teste irá auxiliar o profissional da saúde nos
processos de diagnóstico, na escolha de condutas terapêuticas, na promoção da modulação intestinal, possibilitando que seja adotada uma conduta precisa, individualizada e assertiva.

Como é feito o exame?

Com uma pequena amostra das fezes. O profissional responsável lhe entregará um kit e orientações de coleta (com vídeo). Após envio da amostra ao laboratório o resultado do seu exame é liberado em 12 dias úteis.

Dúvidas e Agendamento do Exame: 45 9 9992-1792

 

Bjo?
Nutri Ana

Instagram: @anagluck